Wand passará por novo julgamento em Nevada no fim do mês

Caso envolvendo exame antidoping do brasileiro será novamente avaliado pela Comissão Atlética no dia 29 de outubro

Wand (foto) virou "inimigo número um" do UFC desde sua aposentadoria. Foto: Josh Hedges/UFC

Wand (foto) virou “inimigo número um” do UFC desde sua aposentadoria. Foto: Josh Hedges/UFC

No fim do mês, Wanderlei Silva terá uma rara oportunidade de passar por um segundo julgamento por parte da Comissão Atlética de Nevada, que no ano passado lhe baniu do MMA. O brasileiro terá seu caso julgado novamente no dia 29 de outubro, na sede da entidade, em Las Vegas (EUA).

Veja Também

Justiça de Nevada revoga banimento vitalício a Wand e convoca nova audiência
Wanderlei Silva acusa UFC de ‘armação’ em título de McGregor
UFC entra na justiça contra Wanderlei Silva após acusações feitas pelo brasileiro

Em 2014, Wanderlei acabou recebendo um banimento vitalício da entidade por ter se recusado a fazer um exame antidoping surpresa antes da luta que faria contra Chael Sonnen, no UFC 175. Com isso, Wand anunciou sua aposentadoria do MMA, mas não deixou de recorrer nos tribunais.

Em maio, o tribunal do Condado de Clark, em Nevada, revogou o banimento ao lutador, alegando que se tratou de um “excesso de autoridade”, cujas bases apresentavam “falta de provas substanciais”. Assim, Wanderlei terá novo julgamento diante da Comissão Atlética.

O advogado do curitibano, Ross Goodman, afirmou que Wanderlei não estará presente no julgamento, já que teme que o caso ganhe proporções semelhantes ao de Nick Diaz, que pegou cinco anos de suspensão por ter sido flagrado com maconha no UFC 183.

Relembre o caso

Em maio do ano passado, a Comissão Atlética de Nevada enviou um funcionário à academia de Wanderlei Silva, em Las Vegas, para colher amostras de um exame antidoping surpresa. Isso porque o brasileiro enfrentaria Chael Sonnen no UFC 175, em julho do mesmo ano.

Contudo, Wanderlei foi embora escondido de sua academia, sem realizar o exame. Imediatamente o brasileiro foi retirado do card do evento, sendo substituído por Vitor Belfort – no entanto, a luta com Sonnen não aconteceu, já que o norte-americano havia sido flagrado com substâncias proibidas em um outro antidoping surpresa.

Meses mais tarde, em audiência para julgar o caso, Wanderlei alegou que não havia feito o exame antidoping surpresa porque estava tomando diuréticos, uma substância proibida, para corrigir uma lesão no pulso, sofrida durante a briga com Sonnen nas gravações do TUF Brasil 3.

A Comissão Atlética não aceita a justificativa e impõe um banimento vitalício do MMA a Wanderlei. Isso envolve todos os eventos os quais ela inspeciona, incluindo todos realizados na cidade de Las Vegas. Por ser considerada a principal comissão atlética regulamentadora do país, a decisão também é seguida pelas outras entidades ao redor dos Estados Unidos.

Notícias relacionadas

Deixe seu comentário

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments