USADA, sobre doping de Jones: ‘Inocente até que prove o contrário’

Órgão responsável por realizar os exames antidoping em atletas do UFC se pronunciou a respeito do doping de Jones

Jones está provisoriamente suspenso do UFC (Foto: reprodução/Facebook UFC)

Jones está provisoriamente suspenso do UFC (Foto: reprodução/Facebook UFC)jon

A USADA, órgão responsável por realizar os exames antidoping em atletas do UFC, se pronunciou a respeito da nova polêmica envolvendo Jon Jones, que testou positivo em testes feitos no dia 28 de julho, na véspera do UFC 214, evento no qual reconquistou o cinturão dos meio-pesados ao nocautear Daniel Cormier. Através de um comunicado enviado ao site ‘MMA Fighting’, um um porta-voz da empresa garantiu que ainda não é possível dar maiores detalhes do caso, mas ressaltou que Jones ainda pode tentar provar sua inocência.

Veja Também

Jones pode ter sido vítima de suplemento contaminado, diz agente
Gustafsson lamenta doping de Jones: ‘Seria melhor ele deixar o esporte’

“Nós não podemos comentar sobre um caso que está em andamento, mas é importante dizer que todos os atletas sob a política antidoping do UFC são inocentes até que o processo determine o contrário. Como parte desse processo, Sr. Jones tem a oportunidade de ser ouvido, confrontar, examinar as provas e tomar a decisão se ele realmente violou as regras ou se isso vai ser decidido por juízes independentes. É justo deixar o processo acontecer antes de tirar qualquer conclusão sobre o Sr. Jones”, afirma o comunicado.

Jon Jones

Aos 30 anos, Jon Jones tem um cartel profissional de 22 vitórias e apenas uma derrota, em uma contestadíssima desclassificação por uma cotovelada ilegal. Líder do ranking peso por peso do UFC, ele é o mais jovem campeão da história da organização e considerado por muitos o maior lutador de todos os tempos. Porém, problemas fora das competições atrapalham a carreira do atleta.

Jones confessou ser viciado em cocaína e chegou a ser preso por atropelar uma gestante e fugir do local por estar efeito de drogasNa ocasião, o UFC retirou seu cinturão e o suspendeu até que o caso fosse julgado e ele fosse condenado a liberdade condicional e cumprir serviços obrigatórios. O presidente do UFC, Dana White, chegou a revelar, ao reintegrar o lutador ao plantel de atletas, que aquela seria sua última chance.

Notícias relacionadas

Deixe seu comentário

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments