Jéssica Bate-Estaca fala sobre o sonho de reconquistar o cinturão dos palhas e cita erro em duelo contra Shevchenko

Em entrevista exclusiva ao SUPER LUTAS, a ex-campeã da divisão até 52kg afirmou pretende reconquistar a coroa da categoria e contou sobre as mudanças na sua carreira

O sonho de reconquistar o cinturão dos palhas (até 52,2kg) segue vivo para Jéssica Bate-Estaca. Em entrevista exclusiva ao SUPER LUTAS, a ex-campeã da categoria falou sobre os seus planos de retomada do reinado, contou sobre sua luta contra Cynthia Calvillo no UFC 266 e afirmou que também está de olho em uma possível revanche contra Valentina Shevchenko. Confira esse e outros assuntos do bate-papo.

PUBLICIDADE:

Veja Também

“Olha, eu sempre gosto de me arriscar nas coisas. Quando acabou a luta (contra Calvillo) eu comentei lá em cima que queria enfrentar a Rose (Namajunas) ou a Weili Zhang. Para mim, seria muito bom poder lutar pelo cinturão da categoria até 52kg. Até porque seria legal uma trilogia com a Rose ou uma revanche com a Zhang. Contra a Weili, eu nem consegui lutar direito, então, acho que seria legal uma dessas duas lutas para mim. Sei que tem a Carla Esparza aguardando, não quero tomar a vaga de ninguém. Mas, se o UFC quiser, eu posso lutar com a Carla e a vencedora disputa o cinturão com a atual campeã. Eu pretendo ficar mesclando as duas categorias”.

A luta contra Cynthia Calvillo foi como você esperava?

“Eu entrei muito concentrada, porque eu sabia que a Cynthia poderia botar para baixo, pois ela tem um wrestling muito bom e não dá para brincar com isso. Mas, eu imaginava que ela iria querer trocar comigo no boxe e no muay thai, só que eu não imaginei que seria durante todo o primeiro round. Eu achei que no momento que ela sentisse um soco, ela iria querer botar para baixo. Eu entrei muito focada em manter a guarda alta para bloquear os chutes que ela estava treinando, para sair dos golpes”.

PUBLICIDADE:

“Eu treinei muito a parte de boxe e a parte de defesa de ‘esgrima’, mas, no meu pensamento eu iria nocautear no primeiro round, eu iria acabar a luta. Em todas as minhas entrevistas, eu falava que não iria deixar essa luta ir para os juízes e que iria nocautear no primeiro ou no segundo round.E foi o que aconteceu. Na primeira mão que eu coloquei, eu vi ela ‘piscar’ e já pensei que seria o caminho da vitória e aí deu tudo certo. Acho que os meus chutes também atrapalharam ela de querer entrar em queda e eu acho que isso foi minando a energia da perna e o gás dela e aí deu tudo certo”

Mudança definitiva para Las Vegas

“Sim, agora eu tô morando aqui (em Las Vegas). Consegui um visto que permite que eu possa trabalhar, que eu possa morar. Eu já consegui alugar a minha casa tem alguns meses, já comprei meu carro. A estrutura do UFC (Instituto de Performance) é pertinho de casa, em cinco minutos de carro eu chego. O meu mestre também já veio, já trouxe a família. Aos poucos a gente vai se estabelecendo, mas, a meta é ficar e crescer a PRVT (Paraná Vale Tudo) aqui em Vegas”.

PUBLICIDADE:

Noção do legado construído?

“Olha, dá para imaginar um pouco. As vezes eu lembro que tenho 30 anos e na minha cabeça, eu já estou velha. Mas todo mundo fala que eu ainda estou muito nova dentro da profissão. Eu ainda não tenho noção da minha carreira, de como eu consegui fazer tudo isso. As vezes, as pessoas perguntam: ‘Você tem noção de quem você é?’ e eu respondo que sou uma pessoa normal, igual a todo mundo. Eu não foco muito nessas coisas, então, passa batido. Mas quando outros entrevistadores vem falar comigo, ai eu paro e penso: ‘Caramba, realmente eu tenho uma história gigantesca dentro desse negócio’. Eu espero continuar crescendo cada vez mais”.

PUBLICIDADE:

Você acha que o público a subestima?

“Hoje, tá ficando mais tranquilo. Antes, se eu ganhasse muito rápido, reclamavam. Quando eu vencia uma top-10, diziam que eu ganhei de uma ‘mosca morta’. Então, realmente, hoje eu sinto uma diferença grande do público e dos fãs. Eles perceberam que o nosso esporte tá crescendo cada vez mais e não tem espaço para você lutar com ‘qualquer uma’. Nessa minha última luta (contra Cynthia Calvill0), eu não ouvi nenhuma crítica e também nem sei se tinha condições disso. Eu venho evoluindo bastante e consegui mostrar isso dentro do octógono. Eu acho isso uma evolução, dá para perceber que o fã brasileiro está mudando o jeito de ver as coisas, mas, uma hora ou outra sempre aparece um para falar alguma coisa. Já estou acostumada, nunca tá bom para todo mundo”.

Sonha em revanche com Valentina Shevchenko?

“Essa mulher é imbatível. Acho que ela tem um pouco de ‘Mulher-Maravilha’, ‘Super-Marvel’ ou alguma coisa assim. Se o UFC não me der a chance de lutar pelo cinturão dos palhas, pode ser que até o final do ano eu lute com a Jennifer Maia e quem vencer de nós duas, pode ter a oportunidade de lutar de novo pelo cinturão com a Valentina. Eu acredito que o segredo é não deixar ela (Valentina) encurtar a luta. Quando ela lutou comigo, eu percebi que ela usou uma estratégia diferente. A Shevchenko não quis trocar comigo, ela quis ir usar o grappling, agarrar e botar a luta para baixo. No meu ‘camp’, eu foquei muito na parte de trocação”.

Principal erro no combate contra a ‘Bullet’

“Eu já treinava a muitos anos defesa de quedas, então, na minha mente, nunca que ela iria me botar para baixo. Então, quando ela me derrubou, tudo o que eu treinei foi ‘por água abaixo’. Eu não tava conseguindo me defender, não tava lembrando o que eu tinha que fazer. Foi horrível, mas, acho que foi um grande aprendizado para mim. No MMA, a gente não pode só focar em uma coisa. Você tem que manter todos os ‘itens’ no caminho, porque uma hora você vai usar alguma coisa. É isso que eu tenho que fazer na próxima luta com a Valentina, não deixar de treinar ‘esgrima’, não deixar de treinar a parte de levantar do chão e a parte da trocação. Tenho que estar com tudo em dia, se não, ninguém vai tirar a Shevchenko de lá”.

Opinião sobre trilogia entre Amanda Nunes e Valentina Shevchenko

“Eu acho justo sim, pela história da Valentina dentro da organização como a campeã que vem vencendo todo mundo, sendo praticamente imbatível. Até porque, a segunda luta dela com a Amanda, deixou um ‘mistério’ no ar. Mas, mesmo eu sendo da categoria até 57kg, eu não vejo problema da divisão dar uma ‘travada’. Até porque, ela já lutou com todo mundo. Deixa a gente se ‘embolar’ ali no meio para ver quem vai desafiar ela”.

Como você imagina o resultado dessa luta?

“Olha, as duas evoluíram muito. As duas estão sendo imbatíveis em suas categorias, mas eu acho que a frequência de lutas influencia muito. A Valentina é uma menina que luta no mínimo três vezes por ano e a Amanda a gente não vê lutar muito. Ela faz uma, no máximo duas lutas por ano, isso porque ela é campeã de duas categorias. Então, eu acho que a Valentina possa ter uma vantagem na questão da experiência, de tempo de luta, dentro do octógono ela é muito rápida e muito veloz. E agora com essas quedas novas que ela tá dando, junto com essa força e essa potência, eu acho que isso pode influenciar bastante e fazer a Valentina se tornar campeã de duas categorias.

Sobre Jéssica Bate-Estaca:

Ex-campeã dos palhas e atual número 1 do ranking dos moscas (até 56,7kg), Jéssica pode pleitear uma disputa de título em ambas as divisões. A atleta tupiniquim vem de vitória por nocaute no primeiro round sobre Cynthia Calvillo no UFC 266 do último sábado (25). A combatente possui um cartel no MMA de 22 triunfos e nove reveses.

Podcast #40: José Aldo ainda pode ser campeão no UFC?