Cinco motivos para assistir ao UFC 270, com duas disputas de título e esquadrão brasileiro

Neste sábado (22), Ngannou e Gane encabeçam evento nos pesados, enquanto Deiveson tenta recuperar título dos moscas na trilogia contra Moreno; card ainda conta com outros três tupiniquins

F. Ngannou (esq.) e C. Gane (dir.) se enfrentam no UFC 270. Foto: Reprodução/YouTube

Chegou o grande momento. Neste sábado (22), em Anaheim (EUA), o Ultimate promove o primeiro card numerado de sua temporada 2022. Com duas disputas de cinturão, o UFC 270 busca cativar com confrontos que prometem emoção aos fãs dos esportes de combate. Ao todo, quatro brasileiros se apresentam no show.

PUBLICIDADE:

Veja Também

A luta principal marcará a unificação do cinturão dos pesados (até 120,2kg.), entre Francis Ngannou e Ciryl Gane. Ex-companheiros de treinos, os dois atletas resolvem suas pendências no palco montado pelo Ultimate. O duelo, inclusive, é promovido como um dos mais aguardados da atualidade.

Na penúltima peleja do card, Deiveson Figueiredo tenta recuperar o cinturão dos moscas (até 56,7kg.). O ‘Deus da Guerra’ encara Brandon Moreno em trilogia, enquanto o mexicano busca defender, pela primeira vez, seu título.

PUBLICIDADE:

O Brasil contará com outros três representantes no show. Michel Pereira encara André Fialho; Raoni Barcelos bate de frente com Victor Henry e o estreante Saimon Oliveira mede forças contra Tony Gravely.

1) Ex-parceiros de treinos e unificação dos pesados

F. Ngannou e C. Gane em encarada após coletiva de imprensa (Foto: Instagram/UFC Europe)

PUBLICIDADE:

Ex-companheiros de treinos. Campeão linear e interino em seus auges da carreira. Francis Ngannou e Ciryl Gané. Para Dana White, uma das melhores lutas dos pesos pesados (até 120,2kg.) em todos os tempos.

PUBLICIDADE:

A história dos dois atletas começou ainda em Paris, quando a dupla chegou a treinar na academia ‘MMA Factory’. Na ocasião, Ngannou ainda tentava subir no ranking do Ultimate e já chamava a atenção por seu vasto poder de nocaute sob seus adversários. Gane, por sua vez, se destacava no Kickboxing e não havia começado sua trajetória nas artes marciais mistas.

A ruptura entre Francis e Ciryl aconteceu em 2018, quando o camaronês parou em Stipe Miocic na primeira tentativa de conquistar o cinturão da organização. Com isso, ele preferiu por deixar sua equipe e migrar ao ‘Xtreme Couture’, nos Estados Unidos, deu a reviravolta na carreira e se tornou campeão justamente na revanche contra o norte-americano.

Instantaneamente, Ciryl Gane teve uma grande ascensão na carreira e, apesar de ter feito sua estreia também em 2018, precisou de apenas dez lutas na carreira para chegar ao cinturão linear. E, já em clima de possível encontro, imagens foram vazadas sobre sparrings da dupla no passado, em que boa parte da comunidade do MMA viu certa vantagem do francês sobre o camaronês.

No UFC 270, agora, tudo será decidido. Quem vai levar a vantagem pela unificação dos pesados (até 120,2kg.)?! Chegou a hora de descobrir.

2) Francis Ngannou e o poder de nocaute

F. Ngannou é campeão dos pesados do UFC. Foto: Reprodução/Instagram

Apontado, por muitos, como um dos lutadores mais destemidos dentre todos os competidores que já passaram pelo Ultimate, Ngannou tem o poder de nocautear adversários com golpes singulares. E foi assim que o camaronês se tornou o segundo atleta com mais nocautes (12) da divisão na história dos pesados (120,2kg.).

Em busca da primeira defesa de título, Francis é o único sul-africano campeão dos pesados. Para isso, ele precisou superar Stipe Miocic no segundo round, em março deste ano. A fase de nocautes também é boa, já que o detentor do cinturão linear nocauteou seus últimos cinco adversários – incluindo Cain Velasquez e Júnior Cigano. Em sua carreira, são 16 resultados positivos e três negativos.

3) O invicto (e campeão interino) Ciryl Gane

C. Gane (foto) enfrenta F. Ngannou no UFC 270. Foto: Reprodução/Instagram

Gane é, de fato, uma personalidade diferenciada na categoria até 120,2kg. Com mobilidade e estratégia, o francês tem as características de ‘franco atirador’ e teve ascensão meteórica. Com base no kickboxing, ele estreou na carreira em agosto de 2018 no MMA e, em pouco mais de três anos, já tem a grande chance de entrar para a história dos campeões lendários.

De sonhos frustrados no futebol e basquete enquanto adolescente, Ciryl entrou em uma academia de Muay Thai em Paris, na França, sem qualquer perspectiva de se tornar um atleta nos esportes de combate. E, ativo, conseguiu emplacar uma série de 13 vitórias na modalidade, incluindo superioridade sobre o campeão nacional na ocasião. Em seguida, ele já se testou nas artes masciais mistas e, em três lutas, estava no maior palco do mundo. Gane conta com um ‘cartel perfeito’ de dez triunfos – sendo quatro nocautes, três finalizações e três combates na decisão unânime dos juízes.

4) Trilogia entre Deiveson e Moreno

D. Figueiredo (dir.) e B. Moreno (esq.) já se enfrentaram em duas oportunidades. Foto: Reprodução/Instagram

Na segunda luta mais importante da noite, uma trilogia entre Brandon Moreno e Deiveson Figueiredo. Na oportunidade inicial, o brasileiro defendeu o título ao empatar com o mexicano em luta equilibrada. Em um segundo encontro, foi a vez de Brandon levar a melhor ao finalizar Deiveson no terceiro round.

Uma história de grande reviravolta. Desde sua passagem pelo ‘The Ultimate Fighter 24’, em maio de 2016, Brandon Moreno prometeu que seria campeão do Ultimate no futuro e concretizou seu sonho ao finalizar justamente Deiveson no UFC 263, após luta parelha no primeiro encontro que terminou empatada. Agora, o mexicano quer ir além e sabe que precisa passar, mais uma vez, por Figueiredo em busca da construção de seu legado.

Deiveson Figueiredo tem a grande chance de recuperar o cinturão dos moscas (até 56,7kg.). Ex-campeão, o ‘Deus da Guerra’ não conseguiu repetir o nível de atuação na revanche contra Moreno quando acabou finalizado no segundo round e, agora, adaptou seus treinamentos nos Estados Unidos e afiou seu jogo com o ex-rival Henry Cejudo na ‘Fight Ready’.

5) ‘Paraense Voador’ e dupla brasileira no card preliminar

M. Pereira (esq.), R. Barcelos (centro) e S. Oliveira (dir.) são os representantes tupiniquins no UFC 270. Foto: Montagem SUPER LUTAS

Além de Deiveson Figueiredo, Michel Pereira, Raoni Barcelos e Saimon Oliveira também são outros representantes tupiniquins distribuídos no card preliminar e principal da noite.

Grande personalidade brasileira nos meio-médios (até 77kg.), Pereira busca a quarta vitória consecutiva no octógono, de olho em uma eventual entrada no ranking. O brasileiro vem de triunfos sobre Zelim Imadaev, Kalinn Williams, Niko Price e, agora, enfrenta o português e estreante André Fialho.

No card principal, o perigoso Raoni Barcelos retorna à cena. O brasileiro, que encara Victor Henry, busca voltar a vencer após ter sofrido sua primeira derrota no octógono em junho de 2021, quando foi superado por Timur Valiev no UFC Las Vegas 30. O revés interrompeu uma impressionante sequência do ex-campeão do RFA, que vinha de cinco triunfos consecutivos no UFC e nove na carreira.

Primeiro brasileiro a subir no octógono, Saimon Oliveira faz sua estreia na organização diante de Tony Gravely. Descoberto no ‘Contender Series’ – série em que Dana White contrata novos talentos para a franquia -, o peso galo (até 61,2kg.) brasileiro tem base no Muay Thai e um retrospecto de 18 triunfos e três reveses.

Ficha técnica do UFC 270

Data: 21 de janeiro de 2022

Horário: A partir das 21h (horário de Brasília)

Local: Honda Center, Anaheim, Estados Unidos

Como assistir: SUPER LUTAS AO VIVO em tempo real e Canal Combate (todo o card) pela TV

CARD PRINCIPAL

Peso pesado (até 120,2kg): Francis Ngannou x Cyril Gane – Luta pelo cinturão

Peso mosca (até 56,7kg): Brandon Moreno x Deiveson Figueiredo – Luta pelo cinturão

Peso meio-médio (até 77,6kg): Michel Pereira x André Fialho

Peso galo (até 61,7kg): Cody Stamann x Said Nurmagomedov

Peso meio-médio (até 77,6kg): Michael Morales x Trevin Giles

CARD PRELIMINAR

Peso galo (até 61,7kg): Raoni Barcelos x Victor Henry

Peso meio-médio (até 77,6kg): Jack della Maddalena x Pete Rodriguez

Peso galo (até 61,7kg): Tony Gravely x Saimon Oliveira

Peso palha (até 52,6kg): Kay Hansen x Jasmine Jasudavicius

Peso leve (até 70,8kg): Matt Frevola x Genaro Valdez

Peso palha (até 52,6kg): Silvana Juarez x Vanessa Demopoulos

Podcast #67: Durinho fez o pix para Yanex após nocaute em lutador que falou mal do Brasil + UFC Austin: card do ano