Cinco motivos para assistir o UFC 207 nesta sexta

Entre no clima do UFC 207 e saiba porque você não pode deixar de acompanhar

Pôster oficial do UFC 207. (Foto: Divulgação)

Pôster oficial do UFC 207. Foto: Divulgação / UFC

O Ultimate desembarca em Las Vegas, Estados Unidos, para o UFC 207, evento que acontece nesta sexta-feira (30), e contará com o retorno da estrela Ronda Rousey, que enfrenta a campeã peso galo feminino Amanda Nunes.

Veja Também

Palpites: UFC 207 – Amanda Nunes x Ronda Rousey
Ronda é favorita contra Amanda Nunes nas apostas para o UFC 207

Na atração principal do show, a brasileira Amanda Nunes coloca seu cinturão em jogo contra Ronda Rousey, enquanto o peso galo Dominick Cruz enfrenta o invicto Cody Garbrandt, em duelo válido pelo título da divisão. O card ainda conta com mais três brasileiros: John Lineker, Antônio Cara de Sapato e Alex Cowboy. Eles enfrentam TJ Dillashaw, Marvin Vettori e Tim Means, respectivamente.

Para você entrar no clima do UFC 207, o SUPER LUTAS preparou cinco motivos para você assistir o evento.

1 – Amanda Nunes a um passo de fazer história

A. Nunes coloca seu cinturão em jogo no UFC 207. (Foto: Getty Images)

A. Nunes coloca seu cinturão em jogo no UFC 207. Foto: Josh Hedges

Amanda Nunes já se consagrou ao finalizar Miesha Tate e se tornar a primeira brasileira e primeira lutadora homossexual a conquistar um cinturão do UFC, contudo, convenhamos: bater Ronda Rousey irá fazer com que a brasileira alcance um patamar ainda mais alto, ao ponto de dizer, sem medo de errar, que cravará seu nome como um dos maiores da história do MMA feminino.

A baiana “arretada” de 28 anos ficou conhecida pelo estilo agressivo, que reflete bem seu retrospecto no Ultimate: das sete lutas realizadas, apenas uma foi decidida pelos juízes, a vitória sobre Valentina Shevchenko, em março passado. Curiosamente, foi justamente esse triunfo que lhe rendeu a oportunidade de disputar o título da divisão.

Quando subir no octógono diante de Ronda, a “Leoa” estará escrevendo o capítulo mais importante da sua trajetória (até o momento). Se a história terá um desfecho feliz ou não, descobriremos em algumas horas…

2 – O retorno de Ronda Rousey 

Ronda volta ao octógono após 13 meses. (Foto: Getty Images)

Ronda volta ao octógono após 13 meses. Foto: Josh Hedges / UFC

A maior interrogação do UFC 207 paira sobre Ronda Rousey. Desde que iniciou sua carreira no MMA, a ex-campeã passou por poucos apuros e sua aura de invisibilidade cresceu tanto quanto sua fama. A primeira derrota em 13 lutas profissionais e, consequentemente, a perca da invencibilidade tirou o status de “invencível” da musa, que sentiu o golpe.

A derrota por nocaute feriu Rowdy não só fisicamente, mas também psicologicamente. Após o UFC 193, a norte-americana se recolheu, fugindo da mídia, pouco aparecendo nas redes sociais e chegou a contemplar suicídio. Ela superou seus medos e agendou o retorno para esta sexta-feira (30).

Apesar de exigir não fazer entrevistas com a mídia especializada, o que levantou dúvidas sobre seu estado psicológico, o presidente do UFC, Dana White, garante que Ronda está na melhor forma física de sua vida – tanto que nem precisou cortar peso. Mas quem irá aparecer para enfrentar Amanda Nunes: a invencível ou a fraca psicologicamente?Essa é uma questão que só irá ser respondida na hora da luta.

3 – O futuro da categoria dos galos 

Quarteto "de ouro" do peso galo estará em ação no UFC 207. (Foto: Produção SUPER LUTAS / Getty Images)

Quarteto “de ouro” do peso galo estará em ação no UFC 207. (Foto: Produção MMA Press / UFC)

Também no card principal, dois duelos irão definir os próximos passos da categoria peso galo masculino. Na segunda luta mais importante da noite, Dominick Cruz coloca seu cinturão em jogo contra Cody Garbrant, enquanto TJ Dillashaw e John Lineker medem forças, um combate antes, para definir o próximo desafiante da divisão.

Dominick é, definitivamente, um caso raro no MMA. Após sofrer com inúmeras lesões e realizar apenas uma luta em quatro anos e meio, o “Dominador” enfrentou TJ Dillashaw em janeiro deste ano e recuperou o posto de melhor peso galo do mundo, lugar do qual, na opinião de muitos, nunca deveria ter saído. Com uma volta por cima digna de cinema, à la Ronaldo Fenômeno, Cruz vai para sua terceira luta em 2017 – bateu Urijah Faber no UFC 199, em junho – e tentará provar, mais uma vez, que derrotá-lo é tarefa ingrata para qualquer lutador até 61kg do mundo. Até hoje, apenas Faber, em 2007, conseguiu a proeza, há 13 duelos atrás.

Seu adversário é o invicto Gabrandt, 10-0 no MMA. Só no Ultimate, já são cinco vitórias, sendo quatro por nocautes, incluindo os atropelos sobre os brasileiros Augusto Tanquinho, Thomas Almeida e o japonês Takeya Mizugaki. Conhecido pelo boxe alinhado e as mãos potentes, “No Love”, como é conhecido, prometeu nocautear Cruz, assim como fez com nove de seus dez oponentes, e conquistar o cinturão dos galos. Aos 25 anos, o céu é o limite para o marrento produto da Alpha Male.

Ex-campeão dos galos, Dillashaw quer recuperar o que já foi seu por direito. Depois de ser destronado por Cruz, recomeçou sua caminhada batendo o brasileiro Raphael Assunção no UFC 200, em julho, vingando a derrota sofrida em 2013. Aos 30 anos, o algoz de Renan Barão já mostrou que tem gás no tanque para voltar a ser o número 1 do peso, mas terá que superar uma pedreira nesta sexta-feira para ganhar a sua tão aguardada segunda chance.

Assim como seu rival, Lineker também sonha alto – o paranaense, inclusive, já deveria ter disputado o cinturão dos moscas, porém foi obrigado a subir de peso por recorrentes problemas com a balança. Nos galos, a trajetória é impecável, tendo vencido os quatro duelos que realizou. O triunfo mais recente foi sobre John Dodson, em outubro passado. Número 2 no ranking, o brasileiro sabe que uma vitória sobre TJ é o último passo antes de uma chance pelo título.

4 – A carreira de Johny Hendricks em jogo

Tudo ou nada para Hendricks, que enfrenta N. Magny. (Foto: Getty Images)

Tudo ou nada para Hendricks, que enfrenta N. Magny. (Foto: Josh Hedges  / UFC)

Primeiro lutador a conquistar o cinturão dos meio-médios (até 77kg) pós-“era George St. Pierre”, Johny Hendricks, wrestler condecorado e dono de mãos pesadíssimas, era visto com um potencial campeão a reinar no topo da divisão, mas as expectativas foram por água abaixo logo em sua primeira defesa.

Depois de cinco round equilibrados, foi destronado por Robbie Lawler, em decisão contestada até os dias de hoje. Foi naquela luta, inclusive, que começou o declínio de Hendricks. De lá para cá, já realizou três lutas, tendo vencido apenas o irregular Matt Brown, em março de 2015. Na sequência, foi facilmente superado por Stephen Thompson e sofreu o primeiro nocaute de sua carreira. Em sua atuação mais recente, outro revés, desta vez para o jovem Kelvin Gastelum, no UFC 200, em julho passado.

Aos 33 anos, o confronto contra Neil Magny deve ser o divisor de águas para Bigg Rigg, que prometeu pendurar as luvas em caso de nova derrota. Será que o ex-campeão irá retomar o caminho das vitórias ou veremos um dos maiores talentos do mundo até 77kg encerrar a carreira precocemente?

5 – Promessas brasileiras em ação 

Sapato (esq) e Cowboy (dir) estão no card preliminar. (Foto: Produção SUPER LUTAS / Getty Images)

Sapato (esq) e Cowboy (dir) estão no card preliminar. (Foto: Produção MMA Pres/ UFC)

Campeão do TUF Brasil 3, Antônio Cara de Sapato despontou como uma das principais promessas brasileiras no UFC, mesmo desembarcando na maior organização de MMA do mundo com apenas três lutas profissionais no currículo. E a inexperiência evidenciou que o garoto de apenas 26 anos, embora talentosíssimo, ainda precisa evoluir para bater de frente com a elite dos médios.

Em cinco lutas no Ultimate, são três vitórias, duas derrotas e um no contest, resultados que esfriaram um pouco o hype em torno de seu nome. Embalado pela finalização sobre o compatriota Leonardo Leleco, em setembro passado, o campeão mundial de jiu-jítsu (na faixa marrom) quer provar diante de Marvin Vettori quer deixar a desconfiança no passado e emplacar sua primeira série de triunfos no UFC.

Responsável pela primeira luta da noite, Alex Cowboy teve uma ascensão meteórica na organização. Contratado no início de 2015, o carismático lutador logo ficou conhecido por seu estilo “fominha”, chegando a realizar três lutas em três meses.

Alternando entre o peso leve e meio-médio, Cowboy já anotou cinco vitórias e duas derrotas na organização, e rapidamente saiu do anonimato para o posto de queridinho da torcida brasileiro. Sua última vitória foi contra Will Brooks, ex-campeão do Bellator, o que mostra que Alex está pronto para alçar vôos maiores. Seu oponente, o casca-grossa Tim Means, pode significar o último passo antes de adentrar ao top 15.

Ficha técnica do UFC 207

DATA E HORÁRIO: 30/12/2016, a partir de 22h30 (horário de Brasília)
LOCAL: T-Mobile Arena, Las Vegas, Estados Unidos
TRANSMISSÃO: Canal Combate

CARD PRINCIPAL
Peso galo: Amanda Nunes x Ronda Rousey
Peso galo: Dominick Cruz x Cody Garbrandt
Peso galo: TJ Dillashaw x John Lineker
Peso meio-médio: Dong Hyun Kim x Tarec Saffiedine
Peso mosca: Louis Smolka x Ray Borg
CARD PRELIMINAR
Peso meio-médio: Johny Hendricks x Neil Magny
Peso meio-médio: Mike Pyle x Alex Garcia
Peso médio: Antônio Cara de Sapato x Marvin Vettori
Peso meio-médio: Brandon Thatch x Niko Price
Peso meio-médio: Alex Cowboy x Tim Means

*Colaborou João Vitor Xavier

Notícias relacionadas

Deixe seu comentário

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments