Cinco motivos para assistir ao UFC 251, com três disputas de cinturão e esquadrão brasileiro

Com 13 lutas confirmadas, Ultimate promove um dos eventos mais agitados dos últimos anos na estreia da ‘Ilha da Luta’

K. Usman (esq.) e J. Masvidal (dir.) em encarada para o UFC 251. Foto: Reprodução/Instagram

Tempo de fazer história. Neste sábado (11), em Abu Dhabi, o Ultimate realizará um verdadeiro espetáculo para os amantes do MMA. Com 13 lutas programadas, a organização promoverá três disputas de cinturão e apresentará um esquadrão brasileiro no evento que marca a estreia da já famosa ‘Ilha da Luta’.

Veja Também

Karol Rosa se empolga com apresentação na ‘Ilha da Luta’: ‘Todos vão saber quem sou eu’
UFC se manifesta após agressão de Mike Perry em restaurante nos Estados Unidos
Vanessa Melo justifica falha em corte de peso para o UFC 251: ‘Não foi culpa minha’

Nas três últimas lutas, os títulos dos galos (até 61,2kg.), penas (até 65,7kg.) e meio-médios (até 77kg.) serão colocados em jogo. José Aldo, Petr Yan, Alexander Volkanovski, Max Holloway, Kamaru Usman e Jorge Masvidal serão os responsáveis por protagonizar as principais apresentações da noite.

Além das lutas pelos títulos, a torcida brasileira tem motivos de sobra para se empolgar. Antes da apresentação de Aldo, outros sete brasileiros terão colocado os pés do octógono montado nos Emirados Árabes.

O evento tem previsão de início para as 19h (horário de Brasília) com o card preliminar. As lutas principais começam por volta de 23h (horário de Brasília).

Para entrar no clima, nossa equipe seleciono cinco motivos para acompanhar o UFC 251. Confira:

Estreia da ‘Ilha da Luta’

UFC 251 promoverá a estreia de eventos na ‘Ilha da Luta’. Foto: Reprodução/Instagram

Demorou, mas chegou. O dia 11 de julho ficará marcado na história do MMA como o dia em que o UFC reabriu as portas para que atletas não-residentes nos Estados Unidos possam se apresentar no octógono.

Quando Dana White e sua equipe optaram por suspender as atividades do Ultimate, em abril, em função da pandemia, o ‘chefão’ sempre deixou claro que seria o primeiro promotor a voltar com as atrações de artes marciais mistas.

O mandatário não só cumpriu a promessa como alugou um espaço em Abu Dhabi para receber lutadores de outros países e realizar espetáculos aguardados pelos fãs.

A promoção aconteceu de forma majestosa. Foram anunciados quatro cards com quatro disputas de cinturão envolvidas. Neste sábado, portanto, será dado o pontapé inicial.

Usman x Masvidal: promessa de guerra

Masvidal (esq.) encara Usman (dir.) no UFC 251. Foto: Montagem SUPER LUTAS

Após vencer o polêmico Colby Covington em sua primeira defesa de cinturão, Kamaru Usman terá o desafio de encarar outro grande rival em seu próximo compromisso. O ‘Pesadelo Nigeriano’ terá pela frente o ‘Bad-Boy’, Jorge Masvidal, que aceitou a dura tarefa de encarar, de última hora, o campeão após Gilbert Durinho ser retirado do card por testar positivo para COVID-19.

O encontro entre Usman e Jorge era negociado desde o início do ano, no entanto, o UFC esbarrava em questões financeiras para selar o embate. Depois de tornar público o descontentamento com o pagamento proposto pelo Ultimate, Masvidal se afastou do confronto, dando lugar a Durinho, que vem em grande fase na carreira, tendo batido Tyron Woodley em sua última luta e assumindo a primeira posição no ranking da categoria.

Com Gilbert fora, restou ao UFC ceder e contatar o ‘Jesus das Ruas’ para que uma das disputas de cinturão não fosse retirada do evento. Em um dia, Ultimate e Masvidal chegaram a um acordo e o atleta concordou em tentar tomar o posto do nigeriano.

Revanche entre Volkanovski e Holloway

A. Volkanovski (esq.) e M. Holloway (dir.) fazem revanche no UFC 251. Foto: Reprodução/Instagram

Quando Max Holloway chocou o mundo e derrotou José Aldo por nocaute em duas ocasiões (em 2017), conquistando o cinturão linear dos penas, muitos pensavam que ali surgia um homem para superar os feitos do brasileiro na categoria. O havaiano, de fato, conseguiu vitórias incontestáveis na divisão e chegou a defender o título em três ocasiões.

O que poucos imaginavam era que, em dezembro do ano passado, pelo UFC 245, Holloway veria seu reinado desmoronar no seu encontro com Alexander Volkanovski. Azarão no confronto, o australiano não tomou conhecimento de Max à época e acabou superando o oponente na decisão unânime dos juízes.

Agora, os combatentes foram colocados frente a frente novamente para a desforra. Enquanto Volkanovski deseja provar que seu sucesso não foi sorte, Max segue firme na ideia de recuperar a condição de campeão.

Aldo x Yan: um novo rei entre os galos

P. Yan (esq.) e J. Aldo (dir.) vão se enfrentar na disputa pelo título vago dos galos. Foto: Reprodução/Instagram

O sábado também será o dia de conhecer o sucessor do trono de Henry Cejudo. Aposentado desde maio deste ano, o norte-americano abandonou o posto após derrotar o icônico Dominick Cruz, no UFC 249, abrindo, assim espaço para que dois atletas duelassem pelo cinturão

Os escolhidos foram o perigoso Petr Yan e o mundialmente conhecido José Aldo, que estreou entre os galos em dezembro do ano passado.

Mesmo derrotado em seu debute na nova categoria, o manauara conseguiu encher os olhos da diretoria do Ultimate por sua performance contra Marlon Moraes e ganhou uma das vagas.

Invicto desde sua estreia no UFC, Yan, que já foi parceiro de treinos de Aldo no passado, o russo, hoje, ocupa a terceira posição no ranking da divisão e não sabe o que é perder desde 2016, foi derrotado pela primeira e única vez em 15 apresentações.

O final de semana também pode marcar história para o Brasil, caso José saia vencedor na disputa. O manauara terá a chance de se tornar o primeiro brasileiro, entre os homens, a ser campeão em duas categorias diferentes e se juntará a Vitor Belfort, Rafael dos Anjos, Lyoto Machida, que conquistaram títulos pela organização, mas falharam nas tentativas em outras divisões.

Aldo também terá a oportunidade de encerrar a sina de mais de três anos sem um representante masculino como campeão. O último dono de um cinturão linear foi o próprio manauara, em 2017, quando foi batido por Holloway.

Esquadrão brasileiro

O Brasil contará com oito representantes no UFC 251. Foto: Reprodução/Instagram

O UFC 251 servirá, também, para que os fãs brasileiros matem a saudade de alguns atletas que estavam impedidos de lutar nos eventos norte-americanos do Ultimate, em função das restrições de viagens por conta da pandemia do coronavírus.

Neste final de semana, serão oito atletas escalados para representarem o Brasil nos Emirados Árabes.

Logo na segunda luta, um confronto que dividirá a torcida tupiniquim. Representantes das galos, Karol Rosa e Vanessa Melo serão as responsáveis por agitar o público e trocarão forças em busca de vitórias em seus cartéis.

Logo em seguida, Raulian Paiva tentará conquistar sua segunda vitória consecutiva desde sua estreia na companhia. Com duas derrotas e um triunfo, o amapaense afirmou que o confronto contra Zhalgas Zhumagulov servirá para calar muitos críticos que duvidam de sua capacidade. O combatente vem de grande vitória sobre Mark De La Rosa, em fevereiro deste ano.

Invicto no UFC, Léo Santos será mais um dos brasileiros a subir ao octógono. Representante dos leves, o carioca chega à sua 7ª apresentação pelo Ultimate e chega com a responsabilidade de manter uma sequência de 12 lutas sem perder. Aos 40 anos, Santos enfrentará o estreante Roman Bogatov, que nunca perdeu em 10 apresentações como profissional no MMA.

Elizeu Capoeira encerra a participação brasileira no card preliminar. O lutador, que vem de resultado positivo sobre Alexey Kunchenko, no UFC Brasília, em março, quer retomar a trajetória rumo ao topo dos meio-médios depois de perder para Li Jingliang, em agosto do ano passado. Capoeira enfrentará o perigoso Muslim Salikhov, quem vem de três vitórias consecutivas.

Na luta que abre o card principal, a promissora Amanda Ribas fará sua segunda apresentação em 2020. Vindo de vitória sobre Randa Markos, no UFC Brasília, a brasileira espera manter a invencibilidade na organização. Mineira de Varginha, a peso mosca (até 52,1kg.) aceitou subir de divisão para encarar a famosa Paige VanZant, que realiza sua última luta em seu contrato e precisa vencer para uma possível renovação.

O UFC 251 também marcará uma noite de reencontro. Na segunda luta do card principal, as ex-campeãs das palhas, Jéssica Bate-Estaca e Rose Namajunas voltarão a dividir o octógono pouco mais de um ano depois do primeiro embate, no UFC 237. Na ocasião, a brasileira chocou o mundo ao brutalizar a norte-americana com um nocaute devastador no segundo assalto. Agora, as atletas voltam a lutar em busca de uma chance de desafiar a atual dona do cinturão, Weili Zhang.

Ficha técnica do UFC 251

Data: 11 de julho de 2020

Horário: A partir das 19h (horário de Brasília)

Local: Yas Island, em Abu Dhabi

Como assistir: SUPER LUTAS AO VIVO em tempo real e Canal Combate (todo o card) pela TV

CARD PRINCIPAL (23h, horário de Brasília)

Peso meio-médio: Kamaru Usman x Jorge Masvidal – Luta por cinturão

Peso pena: Alexander Volkanovski x Max Holloway – Luta por cinturão

Peso galo: Petr Yan x José Aldo – Luta por cinturão

Peso palha: Jéssica Bate-Estaca x Rose Namajunas

Peso mosca: Amanda Ribas x Paige VanZant

CARD PRELIMINAR (19h, horário de Brasília)

Peso meio-pesado: Volkan Oezdemir x Jiri Prochazka

Peso meio-médio: Elizeu Capoeira x Muslim Salikhov

Peso pena: Makwan Amirkhani x Danny Henry

Peso leve: Léo Santos x Roman Bogatov

Peso pesado: Marcin Tybura x Maxim Grishin

Peso mosca: Raulian Paiva x Zhalgas Zhumagulov

Peso galo: Karol Rosa x Vanessa Melo

Peso galo: Martin Day x Davey Grant

Notícias relacionadas

Deixe seu comentário

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments