Retrospectiva 2014: setembro a dezembro – novos campeões e a era dos uniformes

Campeões foram coroados no UFC e nos eventos rivais no fim do ano; contrato entre UFC e Reebok promete transformar a história do esporte

Títulos de Esparza (esq.) e Lawler (dir.) foram destaques do fim de ano, juntamente com o contrato UFC-Reebok. Foto: Produção SUPER LUTAS

Títulos de Esparza (esq.) e Lawler (dir.) foram destaques do fim de ano, juntamente com o contrato UFC-Reebok. Foto: Produção SUPER LUTAS

Veja Também

Retrospectiva 2014: maio a agosto – problemas, brigas, o calvário de Barão e mais problemas
RETROSPECTIVA 2014: Janeiro a abril – o ano começa turbulento para o UFC

Na PARTE 1 e PARTE 2 da Retrospectiva 2014 do SUPER LUTAS você relembrou os principais acontecimentos no mundo do MMA nos oito primeiros meses do ano, marcados por brigas, lesões e problemas com antidoping.

Agora, com apenas um terço do ano restando em nossa retrospectiva, chegamos aos meses entre setembro e dezembro, com a reta final da temporada 2014, que coroou novos campeões, marcou a assinatura de um acordo que promete transformar a trajetória do esporte e com uma surpresa e tanto na audiência do principal concorrente do UFC.

Confira os principais destaques do ano mês a mês:

Setembro: Pitbull campeão, Ronda no Brasil e a saga do Cowboy

Pitbull (dir.) exibe o cinturão do Bellator. Foto: Reprodução

Pitbull (dir.) exibe o cinturão do Bellator. Foto: Reprodução

O mês de setembro começou bem para o Brasil no MMA mundial, com a vitória do potiguar Patrício Pitbull sobre Pat Curran por decisão unânime dos juízes. na disputa do cinturão dos penas do Bellator no dia 5. Patrício já havia sido derrotado por Curran em uma decisão polêmica no passado e não deu chances para o rival na revanche. O brasileiro agora defende seu título pela primeira vez em 16 de janeiro de 2015, contra Daniel Straus.

Ainda no Bellator, Tito Ortiz e Stephan Bonnar protagonizaram uma das cenas mais bizarras do ano. Após anunciar oficialmente a contratação do finalista do TUF 1 Bonnar, a organização liberou a entrada do atleta no cage para desafiar Ortiz. Daí em diante, o que se viu foi uma série de baixarias, trocas de ofensas e algumas revelações que deveriam ser bombásticas, mas acabaram despertando apenas incredulidade no público. Um festival de trapalhadas que talvez nem assistindo seja possível compreender completamente.

Ronda em bate-papo com a imprensa em Brasília. Foto: Lucas Carrano/SUPER LUTAS

Ronda em bate-papo com a imprensa em Brasília. Foto: Lucas Carrano/SUPER LUTAS

Na semana do dia 13, o UFC desembarcou em Brasília (DF) para seu quarto evento no Brasil em 2014 e na bagagem trouxe ninguém menos que a musa Ronda Rousey. Em sua primeira visita ao país desde que se tornou campeã do Ultimate e uma estrela do MMA, Ronda esbanjou simpatia, participou de eventos com os fãs e teve um longo bate-papo com a imprensa, no qual contou histórias de sua trajetória, falou sobre seus planos para o futuro e comentou a rivalidade com a brasileira Bethe Pitbull.

No evento na capital federal, os atletas brasileiros levaram a melhor na maioria das lutas, vencendo sete de onze combates. Porém, na luta que fechou o card, o peso pesado Antônio Pezão sofreu um nocaute surpreendente para o bielorrusso Andrei Arlovski ainda no primeiro assalto.

Cerrone (dir.) chegou a quatro vitórias em 2014. Foto: Josh Hedges/UFC

Cerrone (dir.) chegou a quatro vitórias em 2014. Foto: Josh Hedges/UFC

No único pay-per-view do mês, o UFC 178, o antes desacreditado Donald Cerrone escreveu o último capítulo de seu 2014 mágico. Após vitórias sobre Adriano Martins, Edson Barboza e Jim Miller, o “Cowboy” deu as boas vindas ao ex-campeão do Bellator Eddie Alvarez com uma vitória incontestável na luta co-principal da noite. No evento principal, o campeão dos moscas Demetrious Johnson defendeu seu cinturão com sucesso contra o desafiante Chris Cariaso. O card ainda ficou marcado pela polêmica vitória de Yoel Romero sobre Tim Kennedy. O cubano vinha levando a pior no duelo, mas teria descansado mais tempo do que o permitido no intervalo do segundo para o terceiro round, quando se recuperou e conseguiu o nocaute sobre o rival.

M. Hunt assiste R. Nelson cair após nocauteá-lo no Japão. Foto: Josh Hedges/UFC

M. Hunt assiste R. Nelson cair após nocauteá-lo no Japão. Foto: Josh Hedges/UFC

O mês ainda reservou um momento marcante para a categoria de pesos pesados. Na luta principal da edição anual do UFC Japão, o veterano Mark Hunt se tornou o primeiro atleta a nocautear o gordinho Roy Nelson no octógono. Com isso, Hunt subiu algumas posições no ranking oficial da divisão e manteve-se no radar dos grandes atletas.

Outubro: a “Luta do ano” no Rio e perda de mais um título do Brasil

Dudu (dir.) foi derrotado por J. Warren (esq.). Foto: Bellator/Divulgação

Dudu (dir.) foi derrotado por J. Warren (esq.). Foto: Bellator/Divulgação

O mês de outubro começou com más notícias para a academia carioca Nova União, com a perda de seu segundo cinturão no ano graças a derrota de Dudu Dantas para Joe Warren no Bellator. O time já havia sofrido o revés de Renan Barão para TJ Dillashaw no UFC e a nova baixa aconteceu a poucas semanas de uma das lutas mais importantes do MMA brasileiro: a defesa do último título do Brasil no Ultimate, com o campeão dos penas José Aldo enfrentando o desafiante Chad Mendes no UFC Rio 5.

Aldo (esq.) e Mendes (dir.) travaram batalha épica no UFC Rio. Foto: Josh Hedges/UFC

Aldo (esq.) e Mendes (dir.) travaram batalha épica no UFC Rio. Foto: Josh Hedges/UFC

Porém, apesar do cenário negativo, o UFC Rio 5 foi um evento histórico. José Aldo não só venceu Chad Mendes na revanche pelo cinturão dos penas e manteve o único título brasileiro da maior organização de MMA do planeta, como o fez em um combate histórico, apontado por muitos como a melhor luta de 2014.

Apesar do grande combate no octógono, a nota negativa ficou para a sessão de perguntas e repostas envolvendo o irlandês Conor McGregor, franco favorito à próxima disputa de cinturão, e os fãs brasileiros. Após um início quente, com provocações de ambas as partes, a dinâmica se encerrou em um verdadeiro clima de guerra, com troca de ofensas e xingamentos.

O tempo no estaleiro de Velasquez (foto) prejudicou os planos do UFC para o México. Foto: Reprodução

Velasquez (foto) se machucou de novo em outubro e desfalcou o UFC no México. Foto: Reprodução

No fim do mês, no dia 21, ainda deu tempo de mais um capítulo da narrativa de lesões que marcou o ano ser escrito. Cain Velasquez sofreu nova lesão, foi cortado do UFC 180 a apenas três semanas do evento e acabou sendo substituído pelo veterano Mark Hunt, escalado para disputar contra Fabrício Werdum o cinturão interino dos pesados.

Novembro: Brasil tem novo campeão, fim de semana recheado de cards e surpresa na audiência

Ex-campeão do PRIDE e do UFC, Shogun foi a grande decepção do ano. Foto: Josh Hedges/UFC

Ex-campeão do PRIDE e do UFC, Shogun sofreu duas derrotas em 2014 , ambas no Brasil. Foto: Josh Hedges/UFC

Novembro começou como um mês difícil para o Brasil, logo no dia 8, Maurício Shogun aumentou ainda mais o drama vivido em sua carreira ao sofrer sua segunda derrota consecutiva no ano, desta vez para Ovince St. Preux, em um nocaute relâmpago em pouco mais de 30 segundos, na luta principal do UFC Uberlândia – sexto e penúltimo evento brasileiro da temporada.

Bellator 131 teve audiência recorde na história da organização. Foto: Divulgação

Bellator 131 teve audiência recorde na história da organização. Foto: Divulgação

Porém, apenas sete dias depois, o MMA viveu um de seus finais de semanas mais marcantes. Pela primeira vez na história, as três maiores organizações do planeta – UFC, Bellator e World Series of Fighting – promoveram eventos no mesmo dia. O Ultimate desembarcou no México com a disputa do cinturão interino dos pesados entre Fabrício Werdum e Mark Hunt. Já o Bellator apresentou seu último evento no ano com a luta entre os membros do Hall da Fama Tito Ortiz e Stephan Bonnar. Por fim, o WSOF promoveu a disputa do seu título peso médio, com Yushin Okami sendo derrotado pelo campeão David Branch.

A grande surpresa do fim de semana da Proclamação da República no Brasil, no entanto, ficou a cargo da divulgação dos resultados dos três eventos junto ao público. O Bellator 131, especialmente durante o duelo entre Tito Ortiz e Stephan Bonnar, vencido por Ortiz na decisão dos juízes, liderou nos índices e faturou a marca de maior audiência do MMA no ano na TV fechada, com picos que chegaram à marca de 2 milhões de telespectadores.

Werdum exibe o cinturão interino dos pesados. Foto: Josh Hedges/UFC

Werdum exibe o cinturão interino dos pesados. Foto: Josh Hedges/UFC

A grande notícia para o Brasil, no entanto, veio mesmo da Arena Ciudad De Mexico, onde Fabrício Werdum conquistou sua quinta vitória consecutiva no Ultimate e sagrou-se campeão interino dos pesos pesados ao nocautear Mark Hunt no segundo round da luta principal do UFC 180.

O duelo apresentou mais uma vez um Fabrício Werdum bem mais completo e versátil. Formado no jiu-jitsu e multicampeão da arte suave, “Vai Cavalo” já havia dominado Travis Browne na trocação em abril, mas mostrou toda a habilidade de seu muay thai afiado na King’s MMA nocauteando o duríssimo Hunt, ex-campeão do K-1, com uma joelhada certeira.

Agora, Werdum aguarda o retorno do campeão linear Cain Velasquez para encará-lo na unificação do cinturão dos pesados. O presidente Dana White ainda não confirmou a data oficial do duelo, mas já confirmou que a luta deve acontece no México em 2015.

Dezembro: acordo com a Reebok, peso palha ganha rainha e reviravolta de Lawler

Acordo de exclusividade entre UFC e Reebok foi firmado em dezembro. Foto: Divulgação

Acordo de exclusividade entre UFC e Reebok foi firmado em dezembro. Foto: Divulgação

Logo no dia 2, o UFC convocou uma entrevista coletiva para divulgar uma das notícias mais importantes dos seus 21 anos de história. Na data, a organização divulgou um acordo de exclusividade que, a partir de julho de 2015, fará com que todos os atletas no octógono usem materiais esportivos da marca Reebok, tanto durante as lutas quanto em todas as atividades da agenda oficial do evento.

A promessa da organização com o contrato é democratizar a distribuição de rendimentos com imagem e divulgação entre os atletas, em uma escala baseada no seu posicionamento no ranking oficial, além do desenvolvimento conjunto de produtos e materiais exclusivos. Até o fim de 2014, no entanto, poucos detalhes do acordo chegaram ao conhecimento dos lutadores ou foram revelados pela direção do evento.

C. Esparza (foto) exibe seu novo cinturão. Foto: Josh Hedges/UFC

C. Esparza (foto) exibe seu novo cinturão. Foto: Josh Hedges/UFC

O primeiro final de semana de dezembro foi histórico para o Ultimate com a coroação de dois novos campeões. O primeiro deles, ou a primeira delas, conquistou o título no dia 5, sexta-feira, durante a final do reality show The Ultimate Fighter 20. Na luta principal da noite, a norte-americana Carla Esparza finalizou a jovem Rose Namajunas e tornou-se a campeã inaugural da nova categoria peso palha.

Pettis finaliza Melendez com uma guilhotina para defender o cinturão. Foto: Josh Hedges/UFC

Pettis finaliza Melendez com uma guilhotina para defender o cinturão. Foto: Josh Hedges/UFC

No dia seguinte, 5, foi a vez do último pay-per-view do ano, o UFC 181, acontecer no Mandalay Bay, em Las Vegas (EUA). Na luta co-principal da noite, de volta após longo período de inatividade, o campeão dos leves Anthony Pettis passou por momentos complicados no primeiro assalto, mas conseguiu se recuperar e, mostrando toda sua imprevisibilidade, finalizou Gilbert Melendez com uma guilhotina.

R. Lawler faturou o cinturão dos meio-médios em dezembro. Foto: Josh Hedges/UFC

R. Lawler faturou o cinturão dos meio-médios na revanche contra J. Hendricks. Foto: Josh Hedges/UFC

Já na luta principal da noite, Robbie Lawler escreveu a história mais improvável do ano. Após uma carreira de altos e baixos, Lawler se recuperou da derrota para Johny Hendricks em março, vingou o revés e venceu o rival por decisão dividida dos juízes para faturar o cinturão dos meio-médios. De quebra, “Ruthless” ainda garantiu o primeiro cinturão do UFC para sua academia, a tradicional “American Top Team”.

Cigano (esq.) travou batalha de cinco rounds contra Miocic (dir.). Foto: Josh Hedges/UFC

Cigano (esq.) travou batalha de cinco rounds contra Miocic (dir.). Foto: Josh Hedges/UFC

No dia 13, em Phoenix, no Arizona, Junior Cigano voltou ao octógono após o maior hiato de sua carreira e justificou o longo período ausente com uma luta de altíssimo nível contra Stipe Miocic. Apesar de levar a pior no início da luta, Cigano conseguiu se recuperar na segunda metade do duelo principal do UFC on FOX 13 e levar a melhor na decisão dos juízes. A luta co-principal do evento marcou mais um triunfo de Rafael dos Anjos, que bateu de forma incontestável o polêmico Nate Diaz e garantiu-se como próximo desafiante ao título dos leves.

Chutaço de Lyoto (dir.) abriu caminho para vitória sobre CB. Foto: Josh Hedges/UFC

Chutaço de Lyoto (dir.) abriu caminho para vitória sobre CB. Foto: Josh Hedges/UFC

E ainda sobrou muita emoção para o último evento do ano, em solo brasileiro. Escolhida para fechar o calendário 2014 do Ultimate, a cidade de Barueri (SP) presenciou um evento movimentado, com diversos nocautes e finalizações. A noite ainda marcou a redenção de Renan Barão, que após um ano difícil venceu Mitch Gangnon na luta co-principal, e foi encerrada com um nocaute fulminante de Lyoto Machida sobre CB Dollaway, depois de um potente chute no corpo aplicado pelo brasileiro.

Confira também outras partes da retrospectiva 2014 do SUPER LUTAS, com as principais histórias do mundo do MMA no ano.

Notícias relacionadas

Deixe seu comentário

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments